Resenha: Contos e Crônicas do Absurdo

Autora: Rô Mierling
Editora: Scortecci
Ano: 2014
Páginas: 180


SINOPSE
    "A obra analisa personagens reais em eventos do cotidiano, descritas em uma ótica crítica, dramática e até irônica, destacando o absurdo de amores, mortes, traições. São 23 contos baseados em fatos reais e 13 crônicas analisando situações do cotidiano social brasileiro. Uma menina que desaparece, uma mulher fatal e cinco homens, uma adolescente sequestrada por não saber ler, um assalto noturno que deixa marcas, o drama do Facebook, a filosofia do beijinho, a tatuagem e seus estigmas, o amor e o racismo, o poder da leitura, o estupro mental e a procura incansável de um deus inexistente, casos insólitos e reais. Esses e muitos outros assuntos são o foco dos contos e crônicas desse livro dinâmico, ágil, divertido e reflexivo. Livro de leitura rápida e fácil para leitores e até não leitores." [SKOOB]

   Como já falei, ou melhor escrevi, anteriormente o gênero 'Crônicas' começou a chamar minha atenção recentemente, e confesso que alguns dos melhores livros que li neste ano pertencem a tal gênero, e é claro que essa obra em questão está no topo da lista. Com os 'Contos' a história é outra, esses me acompanhas a vida toda, desde os infantis até os clássicos exigidos para o tão terrível vestibular.

    Foi uma incrível surpresa poder fazer parceria neste semestre com a querida autora Rô Mierling, uma fofa mesmo, e participar do Book Tour do livro...quando o livro chegou todo novinho achei estranho ser do Book Tour, pois o meu blog era o 4º da lista e estava esperado um livro com características marcantes de leituras recentes, a desconfiança se agravou ainda mais quando percebi que o endereço do remetente era da própria autora e não de uma das garotas dos blogs participantes...ai a rainha do fora aqui achou que era um exemplar pra ela, a mancada não foi pensar que tinha ganhado um livro, mas a demora em lê-lo, sim, já mencionei que minha pilha de livros está grande e ando muito atarefada, por isso achei que como tinha um exemplar para mim não precisava ler tão rapidamente, pois não precisava enviar para a próxima da lista...sorry meninas e sei que já pedi um milhão de desculpas para a Rô, mas gostaria de me desculpar pela milésima e uma vez.


  >>  Sendo assim, como essa resenha está atrasada, vamos caprichar!

    No início do livro a autora apresenta relatos de sua vida, sua infância, a paixão pela leitura e escrita, seus sonhos, desafios e conquistas ao longo do tempo. Eu achei fantástico, aproximando ainda mais o leitor à autora e fazendo com que o mesmo crie um vínculo afetuoso com a obra. Sem contar que é possível fazer uma conexão entre algumas passagens dos diversos contos com a história da própria autora, uma sacada incrível.

  A obra é dividida em duas partes, a primeira composta por 23 contos, histórias curtas, à primeira vista absurdas, mas  se pararmos para refletir por alguns momentos veremos que é bem possível que aconteçam com qualquer um...pessoas que não enxergam além da sua própria redoma, ingênuas, hipócritas, sonhadoras, egocêntricas, relapsas, promiscuas, iludidas, carentes...eu poderia citar diversos adjetivos para qualificar alguns dos personagens centrais dos contos apresentados pela autora, mas vou parar por aqui. E a segunda, composta por 13 crônicas que relatam cenas do dia a dia, o cotidiano de muitas pessoas, questões politicas, sociais e éticas, ações que afetam não só o responsável por elas, mas que desencadeiam e repercutem na vidas de outras pessoas, na sociedade como um todo.

    Alguns contos e algumas crônicas são verdadeiras lições de moral para o leitor e tendem a elevar as reflexões para outro patamar, será que o que eu ando fazendo está realmente certo? Será que o problema são os outros ou na verdade não passa da consequência dos meus próprios atos? É valido eu ficar reclamando do meu vizinho, amigo e família, ou será melhor ficar calado, refletir e tomar uma atitude que seja realmente proveitosa...falar menos e agir mais, sim é isso que eu preciso na minha vida! Pensar e tomar uma atitude.

    Foi difícil simplesmente escolher quais os contos que mais gostei e quais as crônicas que mais me agradaram, pois cada um desses relatos são diferentes entre si e ao mesmo tempo se completam. Mas apesar disso vou falar dos que mais me chamaram a atenção, não por ser melhor que os demais, mas aqueles os quais eu realmente achei um absurdo e completamente anormal, que me fizeram ficar indignada e completamente irritada com a atitude das personagens e o desfecho das ações absurdas.



CONTOS

Nos Braços do Pai
(página 21)

"Seus amigos na escola debatem histórias familiares onde até brigas e discussões são descritas como histórias engraçadas. Mas nem isso Carlinhos tem, ele não tem nem mesmo a atenção de seu pai para brigas com ele."



O Presente
(Página 29)

"Que coisa curiosa, para a esposa a primeira coisa que viu, para a amiga quarenta minutos para escolher algo..."



O Baile
(Página 41)

"Em uma segunda feira qualquer, os vizinhos repararam que a senhora do Valdo não estava mais na cadeira embaixo da árvore como ficava todas as tardes, nem no dia seguinte, nem no outro."



Desencontros
(Página 73)

"...Não quero perde-lo e conforme minhas amigas 'modernas', devo ser liberal, ceder para não perder..."



Cega
(Página 77)

"Sua filha agora tem 14 anos e tenta falar com Sonia sobre seu trauma, Sonia ignora, bate no rosto da filha, a chama de mentirosa e a manda para fora de casa."



O Bilhete
(Página 97)

"Saber ler para que, não é mesmo? O que vale é você saber falar e trabalhar - dizia sua mãe...Escrever e ler, palavra escrita e lida de nada adiantam sem o pão na mesa - outras palavras de sua mãe."



Estou a sua disposição
(Página 105)

"- menina, vamos deixar tudo assim, sem pressão, sem compromisso, funcionou até agora, porque mexer nisso?"



Violentada
(Página 113)

"Ninguém via nada naquela escuridão e ela lá apavorada com ele segurando a mão dela, forçando um carinho em cima da calça dele..."



CRÔNICAS

Fidelidade Desprezada

    Tenho certeza que esse tipo de situação já deve ter acontecido com muita gente, você paga por um serviço e não recebe o que foi descrito no contrato, a empresa tenta te enrolar com algumas histórias e te empurra uma nova e "especial" proposta ou promoção, e quando você não aceita é tratado com pouco caso, é quase como se dissessem: - Pode cancelar nossos serviços, some, você está fazendo eu perder o precioso tempo da empresa, você não significa nada para nós...e tenha um bom dia!
    Esse tipo de situação é muito comum em empresas de telefonia, cartão de crédito e servições de internet...eles te empurram um serviço dito como incrível, super especial que nenhuma outra empresa vai oferecer...mil maravilhas para você assinar um contrato e depois, quando você já é cliente...ahhhh coitado, fica pendurado no telefone durante horas escutando uma musiquinha insuportável só para resolver a incompetência e descomprometimento da "maravilhosa" empresa...é muita palhaçada com o ser humano! 


Criança onde?
   
 Esse assunto é um dos quais mais me revolto, esse sentimento de raiva não foi vivenciado somente ao ler essa crônica, mas o tema geral me revolta de tal maneira que não consigo compreender, como um ser humano pode ser julgado adulto para eleger um representante nacional, tomar decisões pertinentes ao seu futuro e do futuro do país e o mesmo indivíduo ser considerado criança para pagar pelas consequências de um ato que cometeu, isso é hipocrisia. Todos devem ser responsáveis pelos seus atos, independente da idade.


Atrasildo

    Essa crônica foi a qual mais me identifiquei, quantas vezes já sofri com a falta de compromisso das pessoas, esse é meu carma, em qualquer época da minha vida tive que lidar com esse tipo de situação, você marca um horário e a pessoa simplesmente não aparece, não cumpre com o combinado. 
    Qual será o motivo que leva muitas pessoas a pensarem que o tempo delas é mais precioso e importante que o seu? Eu não sei, mas sinceramente gostaria de descobrir.

Book Trailer



    Bom, resumindo...adorei a obra, a autora escreve de um modo que o leitor sente prazer no momento da leitura, a mesma se torna dinâmica, rápida e fácil. Rô mierling é direta, sem medo de expor seus pensamentos, não mede palavras e nem se importa do que vão falar a respeito...se gostar da minha opinião bem, se não gostar amém! É assim que eu gosto...sem papas na língua.

    Nesta obra tudo parece irreal, um compilamento de verdadeiros absurdos, mas absurdo mesmo é não ler, ter medo de pensar e agir...absurdo é não ter sua própria opinião!


Classificação 
 

Gênero 
Contos
Crônicas
Drama

6 comentários:

  1. Sem palavras Raquel..amei a resenha, e me emocionei com sua percepção de que muitos contos na verdade são reflexos de mim..obrigada..de coração, amei!!!! Abraços Rô Mierling..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço a confiança e a oportunidade Rô, muito sucesso para você :)

      Beijkas da Quel ¬¬

      Excluir
  2. Oi, vim visitar!
    Adoro contos,na faculdade agora estou lendo muitos e isso faz você gostar mais ainda!
    Gostei da sua resenha!
    Deu vontade de ler!
    beijos

    http://entree-virgulas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá querida, seja bem vinda e obrigada :)

      Super indico essa obra...pode ler sem medo, você não vai se arrepender!

      Beijokas da Quel ¬¬

      Excluir
  3. Raquel que resenha maravilhosa! Eu sou suspeitissima pra falar rs. Adoro o livro, abriu minha mente para novos temas e pensamentos. É como limpar os óculos embaçados rs. Adorei , parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho Sabrina, o gênero tem me agradado muito...percebo quanto somos limitados apenas lendo fantasias...temas reais do cotidiano fazem com que nossa mente trabalhe mais e assim podemos tomar uma posição quanto a nosso lugar na sociedade.

      Beijokas da Quel ¬¬

      Excluir