Resenha: O Escravo de Capela



- Quando a morte é apenas o começo para algo assustador
Autor: Marcos DeBrito
Editora: Faro Editorial
Ano: 2017
Páginas: 288

*Obra cedida pela editora no formato de livro físico, para resenha referente a parceria de 2017.

    Durante a cruel época escravocrata do Brasil Colônia, histórias aterrorizantes baseadas em crenças africanas e portuguesas deram origem a algumas das lendas mais populares de nosso folclore.Com o passar dos séculos, o horror de mitos assustadores foi sendo substituído por versões mais brandas. Em “O Escravo de Capela”, uma de nossas fábulas foi recriada desde a origem. Partindo de registros históricos para reconstruir sua mitologia de forma adulta, o autor criou uma narrativa tenebrosa de vingança com elementos mais reais e perversos. Aqui, o capuz avermelhado, sua marca mais conhecida, é deixado de lado para que o rosto de um escravo-cadáver seja encoberto pelo sudário ensanguentado de sua morte. Uma obra para reencontrar o medo perdido da lenda original e ver ressurgir um mito nacional de forma mais assustadora, em uma trama mórbida repleta de surpresas e reviravoltas. [SKOOB]

    Nessa trama não só conhecemos como funcionava o regime escravocrata no final do século XVIII em fazendas de cana de açúcar, mas também o dia a dia e a angustia vivida pelos escravos nas mãos dos capatazes.
    A fazenda da família Cunha Vasconcelos prosperava, Antônio Batista II, o primogênito do grão-senhor, levava os escravos e não admitia mão de obra preguiçosa e desobediente, tinha prazer em tortura-los até que não aguentassem mais ficar em pé e caíssem desacordados. Seus métodos violentos e na maioria das vezes exagerados já fizera com que seu pai perdesse muitos trabalhadores.
   Antônio Batista II não era temido apenas pelos escravos, mas também pelo irmão mais novo, Inácio, que voltara para casa depois de anos fora do país estudando medicina. Inácio não era familiarizado com os métodos que o irmão dirigia os negócios da família, e como acompanhou o início da decadência do regime escravocrata nos países europeus, era contra a forma como o primogênito tratava os trabalhadores ameaçando-os com a chibata.

    Na época em questão o grão-senhor da fazenda Capela havia comprado uma nova leva de escravos, entre eles estava Sabola Citiwala, que como recém chegado não conhecia o idioma nem estava adaptado ao modo de tratamento local. Logo de início Sabola conseguira despertar a ira de Antônio II e descobriu da forma mais cruel que viver em Capela não seria nada fácil.
    Na senzala o jovem escravo conhece Akili Akinsanya, um dos escravos mais antigos do local, o qual também fora vítima dos maus tratos de Antônio II. Akili passa seus conhecimentos ao novato e vendo sua sede por liberdade, percebe que conquistara um aliado para seu elaborado plano de vingança.

    Os dias passam e uma tragédia aflige toda a senzala, deixando os escravos apreensivos e temerosos. Mas assim como todo ato tem lá suas consequências, logo os moradores da casa grande de Capela passarão a temer por suas vidas e muitos dos segredos sórdidos da família Cunha Vasconcelos virão a tona.



    Fazia tempo que eu não me empolgava tanto com uma obra do gênero, gostei muito da ambientação, personagens e do enredo. Achei tudo muito criativo, e por se tratar de uma obra nacional, a forma como o autor recriou uma das mais famosas lendas do folclore brasileiro me deixou encantada.
    O enredo é angustiante, mas de uma forma positiva. A crueldade dos feitores, principalmente o filho mais velho do dono da fazenda, foi retratada com tanta vericidade que me transportou para dentro das páginas do livro, parecia que eu realmente estava lá, vendo o sofrimento dos escravos.

    Na obra encontramos um mistério atrás do outro, eles vão sendo apresentados ao leitor de um modo que deixa o enredo mais interessante a cada capítulo. O desfecho é surpreendente, mesmo eu já imaginando tudo que estava por vir (o que é um verdadeiro milagre vindo da minha pessoa), não deixei de me entusiasmar em momento algum.
    Confesso que fiquei com muita pena de alguns personagens ao final do livro, mas minha alegria foi maior ao ver a desgraça de outros (olha a maldade da pessoa...Raquel "Coração de gelo").



    A diagramação está perfeita. Fontes, páginas, capítulos, capa...tudo muito bom mesmo. A editora nunca decepciona nesse quesito!
    
    A leitura é bem fluida e dinâmica, os acontecimentos contribuem muito para que o enredo corra naturalmente, tornando a leitura agradável.

    Mesmo com cenas fortes e muitas vezes revoltantes, o autor conseguiu despertar minha curiosidade e pretendo conferir mais do seu trabalho. Ele veio para mostrar que o terror nacional está em alta e que devemos valorizar nossas raízes, pois nosso folclore contém elementos ricos que merecem ser explorados.



    Recomendo a obra para todos os leitores fãs do gênero, que querem se surpreender com elementos da nossa cultura...você certamente não irá se decepcionar



Classificação

Gênero
Literatura Brasileira
Folclore
Suspense
Terror

7 comentários:

  1. Olá!! :)

    Eu confesso que nunca tinha ouvido falar do livro. Não sou grande fa do género, mas fiquei mesmo muito curioso!!

    Achei ótima a premissa, assim como a fluidez da leitura e mesmo todas essas cenas fortes e revolteantes! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Raquel.

    Eu tenho muita curiosidade ler este livro que já tinha despertado meu interesse. Lendo sua resenha que mostrou que a leitura é bem fluida e dinâmica, não resta duvidas sobre o livro. Dica anotada.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Não sou muito fã do gênero mas confesso que fiquei impressionada com o quão forte e impactante a obra parece ser, ainda mais por tratar de um assunto tão grave como a escravidão. Com certeza irei conferir pois minha curiosidade foi despertada.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Quel
    Adoro livros que retratam essa realidade. E se fazem a gente se sentir dentro da história, melhor ainda, né?
    Achei a capa bem forte e não conhecia o livro. Adorei a dica e saber que gostou.

    ResponderExcluir
  5. humm só observo o universo lendo esse livro menos eu, já está em minha meta de leitura, cada resenha fico mais ansiosa para poder apreciar a obra, já ando com medo até de pegar um spoiler.

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem. Ja li esse livro e gostei muito. Adorei sua resenha. O livro tem uma narrativa bastante fluida. Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  7. Olá Raquel,

    Eu gostei demais desse livro, não gostei muito da capa mas a história foi muito bem construída, estamos bem de autores nacionais e fico feliz que tenha gostado também.....bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir