Resenha: Divergente

Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Ano: 2012
Páginas: 502
Tradutor: Lucas Peterson

SINOPSE
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.
A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.
E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive. [SKOOB]


    Como seria o mundo depois de uma grande guerra? Esse parece ser o assunto principal na literatura atual. Jogos Vorazes e agora Divergente. Um assunto delicado, onde parece que o ser humano passou a se preocupar mais com o ambiente em que vive e com a sua preservação. Para isso surgem novas formas de governo e com elas, tudo parece ser bom.

    Em Divergente, a forma como a população se organiza é através de facções, cada uma com características marcantes e a explicação para essa divisão é que ela existe para erradicar o mal humano. Abnegação abomina o egoísmo e por isso seus membros são altruístas, dispostos a se doarem. Erudição acredita que quanto mais conhecimento é a chave para erradicar o mal que a ignorância pode criar. Amizade acredita na bondade ao se tratar o outro, que isso evita tantos conflitos. Franqueza prega a verdade, seja ela o que o outro quer ouvir ou não. E Audácia é a coragem, coragem para fazer o que tem de ser feito.

    É fácil, para nós, vermos onde isso pode dar errado, mas por muitos anos deu certo. Até chegarmos a história de Beatrice, uma moça nascida na Abnegação e dada, em seu teste, como uma Divergente. O que seria isso? O quanto isso pode mudar alguma coisa? Em meio a iniciação da personagem, as facções que antes sempre tiveram um "rixa" começam a se atacar de modo mais ofensivo, por palavras e teorias. 

    Ser Divergente é perigoso, apesar da personagem não saber por que. Tentando esconder isso ela se esforça enormemente para passar desapercebida e permanecer em sua escolha. Mas como sempre, as coisas não ficam simples. Um conflito entre as facções pode ameaçar o seu segredo e o destino das facções. 

    Divergente mostra o melhor lado dos humanos e o pior deles. O que mais chama atenção é justamente isso. Por estarem tão preocupados em não iniciar mais uma guerra, eles podem acabar começando outra. Questões fundamentais são levantadas, principalmente se é possível negar a natureza humana. Afinal, todos são apenas bondoso ou altruístas ou corajosos ou francos ou inteligentes apenas? É possível ser isso e não ser? 

    Sem dúvidas é uma história que prende, por conta da curiosidade que toma o leitor e também por se tratar de um futuro utópico (e talvez até mesmo possível). Mesmo ao final do livro, quando deixa a chave aberta para uma continuação, as questão respondidas apenas deixam mais questões a serem abertas. Ao terminar a leitura, o pensamento é apenas de como isso continuará. 

Classificação e Gênero
 



4 comentários:

  1. LOL , eu to doido pra ler esse livro, porém ainda não tive oportunidade. Todos meus amigos já leram, e eu sou o ultimo, provavelmente.
    Ótima resenha.
    www.chamandoumleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena ler, recomendo demais. Ah, e antes ler por último do que não ler, esse é o meu lema. Aproveite e leia antes do próximo filme, é o que recomendo. Acho que não vai se arrepender!
      Obrigada!

      Excluir
  2. Amo esse livro. Melhor dizendo, a trilogia toda! Apesar de tudo que falam do último, eu simplesmente amei!
    Considero até um pouco melhor que Jogos Vorazes (pode me azarar, rsrs). Principalmente pela personagem principal, Tris. Gosto mais dela, do que da Katniss. Fazer o quê!?
    Gostei muito da sua resenha!
    Beijos!!

    www.umolhardeestrangeiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estava para ler esse livro há muito tempo, porém só consegui agora. Tenha certeza que a resenha dos próximos também estarão aqui.
      E confesso que eu estou gostando mais do que Jogos Vorazes também, e também gosto mais da Tris do que da Katniss então... sem azarações, vamos montar um grupo de quem prefere a Tris. kk
      Obrigada, muito obrigada!

      Excluir