Resenha: Serraria Baixo-Astral - Desventuras em Série (Livro 4)



Autor: Lemony Snicket
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2002
Páginas: 176
Tradutor: Carlos Sussekind

SINOPSE
"Na opinião de Lemony Snicket, "de todos os volumes que contam a vida infeliz dos órfãos Baudelaire, Serraria baixo-astral talvez seja o mais triste até agora". Alto-Astral é o nome da serraria que serve de cenário para as novas calamidades que Klaus, Violet e Sunny serão obrigados a viver. Trata-se de uma "ironia do destino", pois ali, no meio daquelas árvores derrubadas, daquelas enormes toras de madeira, o que as três crianças vão encontrar é mais uma coleção de coisas horripilantes, tais como uma gigantesca pinça mecânica, bifes do tipo sola de sapato, uma hipnotizadora e um homem com uma nuvem de fumaça no lugar da cabeça. A vida dos Baudelaire é mesmo muito diferente da vida da maioria das pessoas, "a diferença principal estando no grau de infelicidade, horror e desespero"...

Diante desse quadro, algum leitor desavisado pode desconfiar: "Como é que alguém vai se divertir com um livro desses, se as personagens não param de sofrer?!". A pergunta faz sentido, mas é justamente aí que descobrimos um dos melhores segredos de Lemony Snicket, pseudônimo do americano Daniel Handler. Ele leva o exagero às raias do absurdo, faz o realismo perder feio para o mais deslavado faz-de-conta e o resultado não poderia ser outro: um jogo literário incessantemente bem-humorado."

O enredo deste quarto livro da série se inicia com os órfãos Baudelaire indo para a cidade de Paltryville, rumo a uma nova casa aos cuidados de um novo tutor que, diga-se de passagem, é tão desprezível quanto o próprio Conde Olaf. Senhor, com seus hábitos de fumante, vive com uma nuvem de fumaça no lugar da cabeça, por isso as crianças jamais conseguiram ver o seu rosto.
Na Serraria Auto-Astral os Baudelaire são obrigados a trabalhar em troca de segurança e proteção contra o terrível Conde, lá todos os funcionários recebem um chiclete como refeição na hora do almoço e são pagos apenas com cupons.

Nessa nova “aventura” as crianças se deparam novamente com diversos obstáculos: um capataz sem escrúpulos, uma secretária/recepcionista muito suspeita, bifes do tipo sola de sapato e uma hipnotizadora disfarçada de oftalmologista. Muitas tribulações ocorrem na serraria desde a chegada dos Baudelaire, acusados de serem responsáveis pelos vários incidentes ocorridos no local, incluindo um novo homicídio, eles são mandados para um internato.



Segundo Lemony Snicket a vida dos Baudelaire é mesmo muito diferente da vida da maioria das pessoas, "a diferença principal está no grau de infelicidade, horror e desespero vividos pelas três crianças”. Nessa nova narrativa Snicket afirma que se trata da mais infeliz dentre todos os volumes que relatam a vida dos órfãos. “Serraria baixo-astral talvez seja o mais triste até agora". 

Gosto muito dos livros do autor, acho que você já deve ter percebido, pois além de enriquecer o nosso vocabulário com uma infinidade de novos adjetivos o narrador nos mostra a importância da leitura, a qual proporciona uma vasta gama de informações requeridas por Klaus e auxiliam os três órfãos a se desvencilharem dos diversos infortúnios que surgem em seus caminhos. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário