Resenha: Palácio de Mentiras


The Royals #3
Autora: Erin Watt
Editora: Essência
Ano: 2018
Páginas: 384

*Livro cedido pela editora em formato físico, referente a parceria de 2018.

'De inimigos mortais a aliados improváveis, dois adolescentes tentam proteger tudo o que mais importa para eles. Ella Harper foi capaz de superar cada um dos obstáculos que surgiram em seu caminho. Forte e resiliente, ela está disposta a fazer o que for preciso para defender as pessoas que ama. Mas lidar com o retorno do pai desaparecido e com o namorado cuja vida está por um fio pode ser demais para a jovem.Reed Royal tem um temperamento afiado e punhos ágeis. Mas sua habilidade para resolver problemas com violência já não é mais o bastante. Se ele quiser salvar a si mesmo e a sua garota, ele terá que superar o passado e sua reputação manchada.Ella precisa ser forte para lidar com os Royal... isso se Reed não destruir sua própria família antes.'

Esta resenha pode conter spoilers dos livros anteriores.

     Palácio de Mentiras encerra a trilogia da série The Royals e, é claro, depois do final surpreendente que o livro anterior teve, minhas expectativas estavam altíssimas. Ainda bem que a Editora lançou a continuação logo no início do ano! Para quem não conhece a série, podem conferir as resenhas dos livros anteriores aqui no blog. Vou deixar o link no final desta resenha.

     Como são continuações exatas, será inevitável falar sobre algumas coisas que acontecem nos livros anteriores, então, sugiro que se não quiser nenhum spoiler, pule a parte introdutória e siga para as minhas impressões.


     Neste livro, Ella tem que ser mais forte o que nunca, pois além da chance de Reed ir para a cadeia por acusação de assassinato — um que ele jura que não cometeu e que, mesmo tendo muitas provas contra ele, sua família acredita que o rapaz não o fez —, a moça tem que enfrentar também o seu pai, que ressurgiu dos mortos.

     Steve aparece, de repente, à porta dos Royals, parecendo o Tom Hanks em “O Náufrago”. Ele sobreviveu a queda que sofreu de asa delta, mas demorou a ser encontrado e, por isso, passou algum tempo sem dar as caras. Mas aquele não era o melhor momento para que mais situações complicadas aparecessem e Ella precisa se dividir entre ajudar Reed e conhecer seu pai.

"Não conheço Steve O'Halloran e não sou boa em me aproximar de gente novo. (...) Não sei onde Steve se encaixa. E ainda não estou pronta para descobrir." 

     Steve, assim que descobre sobre Ella ser sua filha, começa desenvolver um sentido muito protetor que sufoca Ella. Ele quer ser seu pai e ela, mesmo não concordando com as atitudes dele, aceita e dá uma chance, mesmo quando se vê obrigada a ficar longe de Reed — ou quase, já que eles se encontram em segredo.

     O problema é que Reed começa a perder as esperanças de que conseguirá provar sua inocência. Seu passado agressivo, carregado de brigas, socos e estresse só piora a imagem que a polícia faz dele e ter um juiz pai de um garoto que ele quebrou o nariz não facilita sua vida. Ella sabe que precisa encontrar provas de que Reed é inocente, pois ela sabe que ele o é, mas o tempo é curto e nada parece existir que prove isso. Seria assim que a família Royal perderia a coroa?

"Por que todo mundo sempre sente a necessidade de fazer promessas? As pessoas não sabem que promessas são quebradas?"


     Terminei “Príncipe Partido” com o coração na mão e completamente ansiosa para essa continuação. Esperava muito e, talvez por isso, quando tudo começou muito morno, eu me decepcionei um pouco. As coisas demoram a acontecer. Durante a grande parte do livro, mesmo que o fantasma do futuro de Reed esteja presente, muitas coisas “adolescentes” acontecem e parecem tirar o foco daquele momento tão empolgante.

     Apesar de ter ficado desanimada com o início do livro, consegui entender porque isso aconteceu. Eles tentaram seguir com a vida, tentaram encaixar seus problemas em meio às situações cotidianas, pois o tempo não para porque estamos com problemas graves. E o cotidiano e as pessoas que fazem parte dele sempre estão ligadas a esses problemas.

"A única pessoa com quem consegui abaixar a guarda foi Ella. Aquela garota tem o poder de quebrar minhas barreiras e me ver de verdade. O verdadeiro eu, não o babaca frio e insensível que o resto do mundo vê." 

     Com essa nova perspectiva, não posso deixar de falar sobre alguns personagens que me marcaram imensamente nesse livro. Começando com Reed, que deixou mesmo de ser o babaca que era no primeiro livro e que começava a deixar de ser no segundo. Passar por situações difíceis e ter alguém o apoiando incondicionalmente, como Ella, fez com que ele se reavaliasse e mudasse.

     Steve me marcou, mas não de forma muito boa. Quando ele chegou, tudo o que pensei dele foi que estava agindo como um babaca, proibindo Ella de várias coisas, impondo sua vontade e nem ao menos a ouvindo. Steve era exatamente, e pior, do que Callum contava: ele era egocêntrico.

"E agora estou assustada de novo, mas dessa vez não com a ideia de que pode ser que Steve não goste de mim. Me apavora a ideia de que pode ser que eu não goste dele."

     Ella, por sua vez, foi quem me deixou um pouco decepcionada, pois da menina forte que enfrenta tudo, ela começou a se mostrar muito frágil. Fragilidade não é ruim, a não ser quando a personagem usa disso pra se esquecer e colocar o namorado acima de tudo. Isso me incomodou bastante, mas no fim, ela conseguiu recuperar sua identidade.

     Easton é um que sempre que aparece me deixa feliz. Ele é quebrado até dizer chega, mas é quem mantem o bom humor da família e é fiel a quem ama. Ao saber que vai ter um livro dele sendo lançado no segundo semestre desse ano, só posso dizer que fiquei muito empolgada. Nosso menino merece ser completamente feliz.

     O livro possui altos e baixos, mas quando o cerco começa a se fechar, o tempo começa a acabar e Reed fica mais próximo da prisão, nós ficamos mais tensos e mais dispostos a descobrir quem realmente cometeu o assassinato. Eu desconfiei de alguém no início, mas depois descartei e segui a linha de raciocínio da personagem. Quando tudo foi esclarecido, fiquei surpresa por ter desconfiado certo no início!

"Fiquei impregnado dela assim que a conheci, e ela ainda está aqui, no meu sangue, no meu coração."

     Recomendo a série. Recomendo a todos que gostem de um romance new adult e, especialmente, recomendo a quem gosta de sentir o coração acelerar com surpresas e revelações bombásticas. Certeza que se for esse tipo de pessoa, não vai se arrepender.



Classificação:

Gênero:
Literatura Internacional
Romance
Ficção
New Adult



11 comentários:

  1. Olá! Não sabia que se tratava de uma série. Sou aquele tipo de pessoa que não pode ver série que já quer se jogar huiahiuahiuahiuahaiuha. Gostei da proposta e parece ser um enredo bem envolvente *_*

    Beijos
    www.saidaminhalente.com

    ResponderExcluir
  2. Oi! Parece uma história bacana e interessante, apesar de não fazer o meu gênero. Você não é a primeira pessoa que ouço falar que não amou tanto assim o começo do livro e que tudo foi meio arrastado, o que é uma pena, mas, que bom que lá pelo meio do caminho melhorou e ainda deu para aproveitar a leitura.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Fernanda. Eu tenho um pé atrás com os livros dessa série, a premissa até me desperta interesse, mas tem alguns pontos que me incomodariam bastante durante a leitura. Eu achei bem legal poder ver a tua opinião sobre esse volume.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Não sabia que esse livro fazia parte de uma série. Ultimamente estou muito desinteressada em ler trilogias e séries, porque os livros vão perdendo muito a qualidade conforme o número. Alguns são interessantes, mas, poderiam ter sido contados em um ou dois livros e o autor prolonga eternamente..rs!
    Mesmo não tendo lido esse livro, vi resenhas de pessoas que também não gostaram do inicio.

    Beijos e abraços
    http://vickyalmeida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu queria ter gostado mais, mas li o primeiro livro da série e vários pontos me incomodaram e acho que não conseguiria ler o resto da trilogia.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  6. Olá Fe!
    Li essa trilogia e achei muito bom o desfecho e toda reviravolta em torno do pai da Ella. Gostaria muito que a editora trouxesse os outros livros dessa família em físico também.
    Só me resta aguardar!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Olá. Eu não li essa série e confesso que não tenho lá muita vontade de começar a ler não apesar de ser uma série new adult que é um dos meus gêneros preferidos essa série não me desperta o interesse então eu passo a dica

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Eu ainda não li essa série e, por isso, pulei algumas partes da sua resenha. Tenho enrolado para começar, porque vi algumas críticas bem duras à história. Me falaram que um dos personagens é bastante abusivo no primeiro livro (pela sua resenha, suponho ser o Reed) e isso é algo que me incomoda muito e que não consigo aceitar. Não acredito que pessoas assim mudem e, por isso, não sei se engoliria o romance na trama.
    Porém, ainda pretendo ler a série para poder tirar minhas conclusões. Fico feliz que, apesar dos altos e baixos, você tenha gostado da leitura e que o final seja surpreendente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Fernanda, tudo bem?
    Uma amiga me indicou essa série e quero ler. Vi comentários positivos e negativos sobre os livro. Com relação ao terceiro, esta é a primeira resenha que leio. Gostei da sua resenha e espero iniciar a leitura da série em breve!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi... Não li toda resenha, porque sou daquelas que não consegue ler spoilers rsrs...
    Já conhecia a série e pretendo ler, gosto da premissa...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Oi tudo bem?
    Eu achei o segundo livro tão fraco que meio que desanimei, a história ficou muito previsível pelo final de segundo livro já matei quem é o assassino. :(
    Desanimei.

    ResponderExcluir