Resenha: A Dama da Ilha

Autora: Patrícia Cabot
Editora: Essência
Ano: 2011
Páginas: 319

*Obra cedida pela editora no formato de livro físico, para resenha, referente a parceria de 2017.

Sinopse
O Marquês de Stillworth, Reilly Stanton, quer reconstruir o seu orgulho ferido comprovando para todos e para si mesmo que é um verdadeiro herói e não um bêdado inútil como afirmou sua ex-noiva. 
Ignorando todos os conselhos sensatos que recebeu, o londrino Stanton assume um posto médico na remota Ilha de Skye convencido de que pode conviver com as condições de vida, digamos... primitivas. É aí que conhece a senhora Brenna Donnegal, e por mais que tentasse, Stanton não consegue ignorar aquela bela mulher. 
Ela ocupou o antigo papel do pai como médica local da Ilha, e está mais do que irritada por encontrar Dr. Stanton assumindo seu trabalho e a casa de campo de seu pai. Por bem ou por mal, ela dará o castigo merecido ao usurpador. Mas o que começa como uma faísca de um cabo de guerra entre dois corações orgulhosos logo inflama no fogo ardente da paixão. [SKOOB]



  Existe duas coisas que penso em dizer a quem lê essa sinopse e pensa se deve ler ou não este livro através dela. A primeira coisa é que essa sinopse engana. A segunda coisa é que se gostou dela, mas ficou com medo quando disse que ela engana, é que o livro é bem melhor!

  Reilly Stanton vai até a remota ilha de Skye em busca de reconhecimento, especialmente para provar para sua ex-noiva que é capaz de fazer sacrifícios pelas pessoas em sua profissão de médico, mesmo sendo também um nobre. Ao longo da história, porém, podemos ver que Stanton tinha uma visão distorcida sobre a ex-noiva, seus intentos e sobre ele mesmo. 


  Ao início, Staton me pareceu um personagem raso. Ele se mostrava facilmente manipulável e com ideias muito fracos, apesar de tentativas nobres. Um pouco cheio de si, como a maioria dos médicos nobre da época, ele vai "crescendo" ao longo da história, especialmente conforme conhece Brenna e vê as dificuldades passadas pelas pessoas simples de Skye, muito diferentes dos seus antigos pacientes de Londres.

  Brenna, por outro lado, é o que vemos hoje como a típica personagem feminina forte. Ela é avançada para a época em que a trama se passa e isso não é despercebido pelas pessoas que a rodeiam, apesar de muitas já terem aceitado que nada poderiam fazer para mudá-la. Atípica, é o principal adjetivo de Brenna no início da história.

  Ela, apesar de bem mais profunda do que Staton, também foi uma personagem que cresceu ao longo da história, que passou por diversas situações em que seus segredos foram revelados e que ela acabou se abrindo para o estrangeiro. 

  Porém, como eu disse antes, a sinopse nos da a entender que tudo gira em torno da disputa entre os dois médicos para ver quem ficaria com o cargo na Ilha. Logicamente, a mulher não era bem vista com essa profissão na época, mas os moradores possuíam confiança em Brenna, por terem-na conhecido desde sempre. O mais interessante, porém, é que a trama vai muito além disso, assim como muito além do romance que a liga.

  Há um mistério na história de Brenna, assim como o que a faz ficar na Ilha, mesmo seu pai não estando mais lá. E é esse último que torna tudo mais interessante. Ficamos curiosos sobre o seu desenrolar, que se dá juntamente com o romance - que mesmo intenso e ardente, é muito bonito em seu desenrolar - e, no fim, nos vemos tão envolvidos que é difícil saber o que mais nos fez gostar do livro: romance ou o mistério?

  Acredito que os dois fatores me fizeram gostar tanto. Patricia Cabot me conquistou na primeira vez com "Pode Beijar a Noiva" e repetiu esse fato com "A Dama da Ilha". 


Classificação

Gênero
Ficção
Drama
Romance



8 comentários:

  1. Oi Fernanda, não li nada da Cabot ainda, acredita? Gostei do enredo deste livro, e vou procurar mais informações sobre ele. Espero que seja livro único.
    Bjs. Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu a conhecia com seus famosos livros infanto juvenis, mas ano passado conheci com o pseudônimo de Patricia e essas histórias mais "calientes". Confesso que me agradou muito, pois não foca apenas no erótico e sim na trama.
      Espero que goste tanto quanto eu!

      Obrigada pelo comentário.
      Bjs

      Excluir
  2. Olá!
    Ainda não li nenhum romance de época da Patricia e tenho vontade, mas confesso que a premissa desse não chamou tanto a minha atenção inicialmente. Acho que vou começar com outro livro e se eu gostar ad escrita dela (o que acho provável) irei me aventurar nos seus demais livros.
    Abraços,
    Andy - StarBooks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, sim, ela tem muitos livros que podem vir a lhe chamar mais atenção. Espero que goste da narrativa dela e de como a constrói as histórias tanto quanto eu gosto.

      Obrigada pelo comentário.
      Abraços.

      Excluir
  3. Olá!
    Não conhecia a obra, mas como sou fã de romances de época, já anotei a dica.
    Gostei muito da premissa e também da personalidade de Brenna, que parece ser o tipo de personagem forte e determinada.
    Com certeza entrou para a minha lista de desejados.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Ah, como você é fã de romance de época (como eu), acredito que vai gostar desse então. E sim, Brenna é exatamente esse tipo de personagem: forte, determinada e também muito amável. É fácil gostar dela e também de Reily, diga-se de passagem!

      Obrigada pelo comentário!
      Beijos.

      Excluir
  4. OI, Fernanda
    Também gostei de "Pode beijar a noiva" e adoraria ler esse outro da autora. Algumas sinopses às vezes enganam mesmo.
    Fico contente em ver sua opinião positiva.

    Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Letícia!
      A Cabot me conquistou completamente com "Pode Beijar a noiva", por isso não resisti ao ver essa sinopse. E fico mais feliz porque a sinopse me enganou, mas a surpresa foi para melhor!

      Obrigada pelo comentário!
      Abraços.

      Excluir