Resenha: O Mistério dos Sete Relógios



Autora: Agatha Christie
Editora: Nova Fronteira 
Ano: 2015
Páginas: 266

SINOPSE
    "Um tanto inusitado é o fato de que, ao final desta história, o leitor sentirá vontade de relê-la só para ter certeza de que a autora não lhe pregou uma peça." - Jornal The Scotsman
    "Durante uma temporada na distinta mansão Chimneys, um grupo de jovens espirituosos decide dar uma lição ao incorrigível Gerry Wade. Eles adquirem oito despertadores e os posicionam em seu quarto, para que finalmente acorde no horário apropriado da casa. A brincadeira toma um rumo inesperado quando Wade é encontrado morto em sua cama, vítima de uma aparente overdose.
    No entanto, como explicar que apenas sete dos oito relógios estejam no local do crime? Uma carta deixada por Wade para sua meia-irmã sugere uma possível pista, envolvendo uma sociedade secreta ligada à máfia. Será que há algum tipo de conspiração internacional por trás da morte do rapaz? Uma organização criminosa que pode fazer ainda mais vítimas? É o mistério que Lady Eileen Brent e seus amigos tentarão desvendar, com o auxílio do superintendente Battle."
 [SKOOB]

    A trama se inicia quando um pequeno grupo de amigos, da alta sociedade, se reúne para passar um período agradável juntos durante um final de semana em Chimneys. Em meio a jogos de bridge, danças e passeios, o grupo decide pregar uma peça em Gerry Wade, um jovem que sempre acorda extremamente atrasado para as refeições da manhã.
    A partir dai tudo começa e se complicar, pois na noite que seria posta em prática a inofensiva brincadeira o jovem Wade aparece morto. A morte aparentemente foi causada pelo uso de um sedativo em excesso, o que deixa alguns dos presentes assustados e outros desconfiados.
    Após a abertura de um inquérito para averiguar o suposto suicídio em Chimneys, mais um jovem do grupo é morto, o que chama a atenção da Scotland Yard e de alguns dos amigos das vítimas. Os crimes parecem não ter mais fim, novas tentativas de assassinato e o suposto roubo de uma "fórmula" muito valiosa mexem com o enredo e a trama vai se estendendo. 
    As suspeitas caem sobre uma perigosa sociedade secreta, composta por personalidades estrangeiras. Alguns dos jovens, vendo a ineficiência da policia para solucionar os crimes, resolvem agir por conta própria e iniciam um investigação que pode por suas vidas em grande risco.


    Confesso que no início que minha cabeça foi dando um nó com tantos personagens de nomes complicados, como se não bastasse em um determinado momento era usado o primeiro nome, em outro o sobrenome, quando esse mesmo personagem não tinha tembém algum apelido. Tive que ficar retornando as páginas para lembrar realmente quem era a pessoa, kkkkk.

    Um dos personagens que mais gostei foi o responsável pela comicidade da obra, Lorde Caterham, ele e sua filha Lady Eileen Brent, conhecida pelos amigos como Bundle, já apareceram em outra obra da autora, 'O Segredo de Chimneys' de 1925 (o qual ainda não tive a oportunidade de ler), o primeiro livro com a aparição do superintendente Battle, um inteligente oficial da Scotland Yard, que raramente demonstra emoções e é especialista em crimes de diplomacia internacional ou política.
    De início o pai de Bundle me pareceu um pouco arrogante, mas com o caminhar da história, comecei a suspeitar que ele era mesmo louco, suas aparições estão entre os momentos mais divertidos da obra.
    "- Milord, sr. Lomax está aí.
    ...
    - Tredwell, eu não lhe disse hoje de manhã na hora do café que ia estar muito ocupado?
    - Sim, Milord, mas...
    - Vá dizer a sr. Lomax que você se enganou, que eu fui ao povoado, que estou de cama com gota, ou, se isso não adiantar, diga que eu morri."

   Parece até eu quando o telefone aqui em casa toca e é algum atendente querendo mudar meu plano telefônico ou me vender algum cartão de crédito..."Fala que eu não moro mais aqui, fala que morri!"

    "- Sr. Lomax deixou um bilhete para o senhor, Milord - explicou Tredwell. - Ficou muito desapontado quando viu que o senhor tinha saido.
    Lord Caterham abrio o envelope.
    ...
    - Ele deve estar louco - concluiu Lord Caterham. - Ninguém seria capaz de escrever essas coisas aí sobre você, Bundle, a menos que estivesse meio desequilibrado. Pobre infeliz. Que persistência! Não me admiro que tenha chegado ao Gabinete. Seria bem feito para ele se casasse com você, Bundle."

    Que pai fala isso da própria filha? Desejar que alguém case com ela como forma de punição é algo muito inusitado e engraçado. 

    Também gostei muito da própria Bundle, uma jovem audaciosa, teimosa e destemida, que não tem medo de se arriscar ao envolver-se em um grande mistério.


    A narrativa, assim como em todas as obras da autora, é muito bem elaborada, uma trama audaciosa, repleta de mistério, mas não é uma das melhores que já li, o excesso de informação acaba confundindo ainda mais o leitor. A obra peca pelo excesso de enigmas envolvendo sociedades secretas, inúmeros estrangeiros e diplomatas, pessoas ilustres e poderosas da alta sociedade e personagens que surgem do nada sem explicação alguma.
    Quando você acha que descobriu todo mistério, há uma reviravolta e tudo se complica novamente. Isso muitas vezes vai cansando o leitor, pois a leitura vai tornando-se ensossa, mas ai que realmente podemos ver quão genial Agratha Christie é ao inserir personagens cômicos à trama para reanimar o leitor.


   A diagramação, como já falei na primeira resenha do projeto Resenhando 6 (Leia aqui) está impecável, a editora Nova Fronteira fez um trabalho incrível nestas novas edições dos clássicos da rainha do crime, tanto na arte da capa que remetem diretamente ao enredo da obra, quanto na coloração das páginas, com leve tom amarelado que torna a leitura menos cansativa e mais fluente.

                                 

    A narrativa, assim como em todas as obras da autora, é muito bem elaborada, uma trama audaciosa, repleta de mistério, mas não é uma das melhores que já li, o excesso de informação acaba confundindo ainda mais o leitor. A obra peca pelo excesso de enigmas envolvendo sociedades secretas, inúmeros estrangeiros e diplomatas, pessoas ilustres e poderosas da alta sociedade e personagens que surgem do nada sem explicação alguma.
    Quando você acha que descobriu todo mistério, há uma reviravolta e tudo se complica novamente. Isso muitas vezes vai cansando o leitor, pois a leitura vai tornando-se ensossa, mas ai que realmente podemos ver quão genial Agratha Christie é ao inserir personagens cômicos à trama para reanimar o leitor.

    Certamente esta obra não pode ser comparada à outras tramas incríveis da autora, mas vale a pena dispor de algumas horas para conferir essa aventura.

Classificação

Gênero
  



2 comentários:

  1. Nossa, foi um dos primeiros da Agatha que eu li, acho que estava no ensino fundamental ainda, faz muuuito tempo... Na época lembro que gostei bastante, eu amo os livros da Agatha, pena que faz tempo que eu não leio. Acho que esse foi o primeiro livro que comprei em sebo, o primeiro da minha coleção. Parabéns pela resenha!! Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, preciso ler algo da Agatha me sinto uma louca por nunca ter lido nada da rainha do crime, adorei a resenha, beijos

    ResponderExcluir