Adaptação: Cinderela

Adaptação: Cinderela
Original: Cinderella
Direção: Kenneth Branagh
Ano: 2015
Adaptado de: Cinderella (Charles Perrault)
Elenco: Lily James, Cate Blanchett, Richard Madden, Helena Bonham Carter

Sinopse: Após a trágica e inesperada morte do seu pai, Ella (Lily James) fica à mercê da sua terrível madrasta, Lady Tremaine (Cate Blanchett), e suas filhas Anastasia e Drisella. A jovem ganha o apelido de Cinderela e é obrigada a trabalhar como empregada na sua própria casa, mas continua otimista com a vida. Passeando na floresta, ela se encanta por um corajoso estranho (Richard Madden), sem desconfiar que ele é o príncipe do castelo. Cinderela recebe um convite para o grande baile e acredita que pode voltar a encontrar sua alma gêmea, mas seus planos vão por água abaixo quando a madrasta má rasga seu vestido. Agora, será preciso uma fada madrinha (Helena Bonham Carter) para mudar o seu destino...


    A Disney está trazendo os clássicos de volta às telonas e desta vez não em animações. É claro que eles não demorariam a trazer aquela da qual o castelo é o símbolo da Disney, não é mesmo? E sendo assim, nada poderia ser ruim. E de fato não foi.

    Todos nós crescemos ouvindo e vendo as histórias diversas de Cinderela. Ela que perdeu a mãe, o pai e ganhou uma madrasta má e duas irmãs "postiças" igualmente ruins. Mas a própria Disney além do primeiro clássico fez mais 3 filmes de animação de Cinderela. Estes mostram um pouco mais de como ficaram a Madrasta e as irmãs no curto espaço de tempo entre o casamento da "princesa" com o príncipe, além de dar um estaque à habilidade de Ella de falar com animais, principalmente seus amiguinhos ratos.


    Por isso, a todos que ainda não viram o filme, um aviso: Não se assuste com os ratinhos e não pense que eles estão ali por nada. A Disney os colocou nos clássicos há muito tempo, porém, apenas o primeiro dos filmes ficou mundialmente mais conhecido.



    E para mim, trazer um pouco dos demais filmes foi o que precisou para deixar este mais completo. Afinal, podemos ver como a mãe de Ella a influenciou em ter fé e ser uma pessoa boa. Podemos ver porque a madrasta a odiava tanto e como, apesar de o pai quase não ficar em casa por ser um mercador, ele e a filha se davam bem e se amavam. Podemos ver onde tem a origem do nome Cinderela, apesar de para nós não fazer muito sentido de início. Além de tudo isso, nos perguntamos: Por quê ela fazia tudo para a Madrasta e as irmãs e não ia embora? É uma resposta que assistindo ao filme vamos conhecendo sua resposta.

    Quero dar uma ênfase a uma narração do filme que é contrária ao conto. Nos contos a Madrasta e as irmãs são feias e malvadas, porém no filme, elas são narradas como feias apenas em seu interior e com uma grande beleza exterior. E de fato o são. Excetuando por Drisella, que não tem a mesma beleza. Achei isso realmente bom, pois por que apenas Ella deveria ser a linda?



    Outra coisa que muito apreciei foi o fato de Ella e o Príncipe terem se conhecido antes. Isto me lembrou muito um outro filme baseado no conto, este chamado "Para Sempre Cinderela", não é uma cena igual, mas que me recordou, pois mostra que o encanto do mesmo por ela não foi apenas quando a viu deslumbrante no vestido e na magia da fada madrinha e sim antes, normal, como Ella.

    Ah, a fada madrinha! É um pequeno momento, claro, mas trás a magia para a telona, assim como um pouco de comédia. O momento da abóbora se tornar a carruagem, o momento dos ratos se tornando cavalos brancos, os lagartos em lacaios e o ganso em cocheiro. Quem não esperava para ver a Disney em ação? Sem dúvidas nada a desejar. E Helena, como sempre, com seus papéis perfeitos e esquisitos. Afinal, uma fada madrinha esquecida como ela, apenas Helena saberia fazer, não é mesmo?



    Sobre o baile, achei muito bom o fato de eles não ficarem apenas dançando. Fica claro para mim que o sentimento que já existia apenas se intensificou naquele momento dos dois em que houve sim uma conversa. Afinal, qual seria a graça? Apesar de ser um conto de fadas... ele é um pouco mais moderno, afinal. E sem dúvidas, foi impecável cada parte dele... com direito a fuga e perda do famoso sapatinho de cristal.

    Neste filme há uma profunda relação fraterna entre o príncipe com o pai e, para mim, foi uma das cenas mais lindas do filme. Além disso, fica claro que o vilão do filme não é a madrasta apenas, mas alguém dentro do castelo, alguém que deveria auxiliar o Rei. Neste momento, passamos a conhecer algo que não estava nos clássicos, mas que deu toda uma emoção para o filme e o tornou ainda mais verossímel. 



    Como eu disse, impecável. Onde durante todo o tempo uma mensagem boa e positiva era passada. Onde, como os contos de fadas são conhecidos, uma mensagem de que ser gentil e ter coragem é o que se precisa para conseguir as coisas na vida. Sem dúvidas é um filme cheio de efeitos especiais, romance, com momentos divertidos e engraçados e Clássico.

    A magia acontece durante todo o filme, como era de se esperar da Disney. E se, assim como eu, quem assistir for apaixonado por ela... Sairá encantado.


2 comentários:

  1. Estou louco para ver esse filme, e to achando que só vou ver quando sair dos cinemas então a resenha só me aguçou a curiosidade.

    http://victor-reads.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do filme, só não entendi a lógica da Disney trocar o castelo original da Cinderela, pois o castelo é a marca registrada da Disney e no filme aparece no início porém o verdadeiro castelo onde o príncipe mora é totalmente diferente do castelo tão conhecido! Fiquei sem entender...fora isso o filme foi ótimo!!!!!

    ResponderExcluir