Resenha: Poesia Chick Lit



Autora: Madalena Daltro
Editora: Multifoco
Páginas: 136
Ano: 2013

SINOPSE
"Poesia Chick Lit é a poesia da mulher contemporânea... Mulher é a parte mais bela da história da humanidade, o mais requintado lado da simplicidade. De cara lavada, de brinco de pedra, cabelo amarrado, como é bela! Colar de pérolas, cor do coral, perfume de flor, creme dental. Simples, és erudita!" 

    Confesso que não sou apreciadora fervorosa do gênero, mas gostei muito da leitura, uma coletânea de poesias composta por diversos temas. Esse foi sem dúvida o ponto forte da obra, a abrangência de vários temas, entre eles: sentimentos, lembranças, ética e corrupção, situações cotidianas, sociedade, tempo, religião, localidades, experiências pessoais da autora e o principal, a MULHER, a beleza em sua total simplicidade.


    A autora retrata a mulher de forma esplendorosa, um ser humano que sofreu durante décadas e lutou por um lugar digno na sociedade. A simplicidade da mulher trabalhadora, que luta de sol a sol e cuida da família, a garra e a força desse ser tão delicado e frágil e ao mesmo tempo tão corajoso e destemido. Sim, a mulher deve ser valorizada, essa foi a principal mensagem que a obra me passou, seus desafios e conquistas fizeram história na humanidade.

    Dentre os versos presentes na obra escolhi um, o qual mais gostei:

"Sou como o mato que cresce
Se de regar esquece
Cresço na fissura da rocha
Tenho a fé que me fortalece

Sou como a arte
Que se rebela
Como a tinta
Que escapa da tela

Sou sem importância
Sou insignificante
Sou subalterna
Sozinha sou, acompanhada sou

Não cresço à sombra
De outra árvore
Sou de Deus a grande obra
Sou de verdade, não sou folclore

Sou o segredo da vida
A beleza do mármore bruto
A força da lida
Sou o tudo da existência

Sou o mato que cresce em direção ao sol
Não me espalho perdida para os lados
Sou o mato que cresce vertical
Resistente á pedra, à seca, aos ventos...

Não sou comum, não preciso de mimos
Não estou em todos os jardins
Fico nos campos ou a beira dos caminhos
Não cresço à sombra de outras árvores

Sou o mato que queres arrancar
Sou a persistência que volta a brotar
Sou a insistência com que voltas a tirar
Sou a determinação que faz germinar

Sou o mínimo de que precisa a vida
Sou o ar que a vida precisa
Que dia a dia respiras
Ar puro que sugas, sujas, dissipa."

    O livro é dinâmico, uma leitura rápida devido a forma de exposição das poesias e não se torna cansativo, pois a mudança de assunto é continua. Você consegue se identificar com aquilo que está escrito no papel, cada verso, cada estrofe faz com que você perceba a liberdade das palavras e o quanto é maravilhoso a infinidade de interpretações que cada uma delas pode gerar na mente do ser humano.


    Surpreenda-se também com o mundo mágico da poesia contemporânea!


Um comentário:

  1. A leitora Raquel Cavasini conseguiu resumir da melhor forma até agora o que realmente é esse livro, e o que ele pretende passar para o leitor. A mulher dinâmica tem espaço, um espaço suado, sofrido e conquistado. Sou amiga pessoal da escritora, e isso me faz entender bem o espaço que ela pretende demostrar.

    ResponderExcluir